sábado, fevereiro 03, 2007

 

TLEBS: Que futuro?

Foi hoje noticiado pelos meios de comunicação social que os exames do 12º ano iriam ter questões sobre a Nova Terminologia.
Muito bem! No entanto, é sabido que nem todas as escolas abordaram ainda esta questão. O Ministério afirma que se tratam de questões simples e que qualquer aluno, mesmo os que não abordaram a TLEBS (!), seriam capazes de responder. Para além desta trapalhada, ainda na mesma notícia, é-nos dito que a TLEBS vai ser suspensa (!) no próximo ano lectivo 2007/08 devido a algumas "inconsistências".
Várias questões se colocam inevitavelmente:
Que viabilidade tem esta Terminologia tão contestada e "inconsistente"?
Que futuro tem na pedagogia da Língua Portuguesa?
Para o próximo ano lectivo que vamos dizer aos alunos que tiveram esta experiência pedagógica? ......

segunda-feira, junho 19, 2006

 

A Língua, uma preciosa aliada do raciocínio

Nem sempre as línguas e literaturas foram olhadas com desprezo pela sociedade. Entre as civilizações grega e romana, por exemplo, o culto das artes liberales, também conhecidas por humanitates, e do otium cum dignitate era o mais alto ponto a que qualquer cidadão poderia alguma vez chegar.
Hoje em dia, contudo, parece haver uma certa tendência para desvalorizar estas disciplinas e, pior, o estudo da própria língua materna. O mito de que o Português pode ser ensinado por todos e por qualquer um tem que ser finalmente desfeito.
(...)
Clique aqui para ver o resto do texto

Ana Isabel Rodrigues Fonseca


sábado, maio 13, 2006

 

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades"

Subindo, então, ao trono a nova Monarca, TLEBS, logo se aprontou a implementar as suas ideias para a regência do reino. Assim, e para melhor organizar o seu território, resolveu juntar duas grandes propriedades numa só: enquanto que no reino anterior se fazia a distinção entre frase e oração, agora a frase iria surgir como um termo de maior neutralização, preenchendo todas as situações de uso do termo oração. Que benefícios daí podem advir? Não sabemos. O que constatamos é que, nalguns editais que vão saindo pelo reino (alguns manuais elaborados segundo a vontade da Monarca), tal união não se verifica. De facto, surgem separadamente os conceitos de frase e oração.
Os Tlebsmaníacos questionam: em que ficamos???
Marco Ferreira

quarta-feira, maio 03, 2006

 

Determinantes e Quantificadores

De acordo com a nova Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário (TLEBS), as palavras que precedem um nome especificando o seu valor referencial e fornecendo informações atinentes ao número, quantidade ou à parte das entidades que o designam, passam a denominar-se de Quantificadores. Deste modo, separam-se os já conhecidos Determinantes Artigos, Demonstrativos e Possessivos – palavras que, quando antepostas ao nome, fornecem informações individualizadas sobre os seres referenciados – dos novos Quantificadores Indefinidos, Interrogativos, Universais, Relativos e Numerais que fornecem informações especificamente quantificadoras.
Convém também relevar que a nova terminologia introduz, assim, alterações ao nível da classificação das palavras e alguns conceitos novos pois, para além da própria designação inovadora de Quantificador, surgem também os conceitos de Quantificador Universal (palavras que remetem para a totalidade dos elementos do conjunto considerado), e de Determinante Nulo (marcador da ausência de realização lexical desta classe de palavras).

Liliana Ferreira

terça-feira, abril 25, 2006

 

Nome predicativo do sujeito, ontem! Predicativo do sujeito, hoje!

Durante várias décadas a designação de nome predicativo do sujeito foi atribuída à função sintáctica desempenhada por “ um substantivo, adjectivo, pronome ou expressão equivalente”1 que estabelecia uma relação de sentido com o sujeito. Essa relação, feita através de um verbo copulativo, admitia, desde logo, a possibilidade de ser feita através de uma “expressão”. Ora, se o predicativo, para além de nome, pode também ser uma expressão que indica uma qualidade ou estado acerca do sujeito não faz, portanto, sentido continuar a designar-se essa função de NOME predicativo. Por exemplo na frase Estive ontem no CCB, mas o espectáculo é hoje quer “ontem” quer “hoje” predicam o sujeito, não sendo porém nomes. É neste sentido que a TLEBS chama à função sintáctica desempenhada pelos constituintes seleccionados pelos verbos copulativos “predicativo do sujeito”.
1. Compêndio de Gramática Portuguesa, 2º Ciclo do Ensino Liceal, 1965, Livraria Sá de Costa, Ed. Lisboa.
Cecília Rodrigues

quinta-feira, abril 06, 2006

 

Caixa de Pandora

Tal como a caixa de Pandora, a TLEBS também é uma caixinha de surpresas…
Desta vez a surpresa veio enrolada num pergaminho, no qual o real ministério da educação admitiu que a TLEBS tinha um único lapso, referente ao Domínio B3 – Classe de Palavras. Como se tratasse do verdadeiro calcanhar de Aquiles da TLEBS, este pergaminho surgiu como lenitivo de todos os males. Afinal o lapso não é mais do que a simples troca das definições de nome Epiceno e nome Sobrecomum. Esperemos então que a caixinha não nos reserve mais surpresas.
Tiago Maia

sexta-feira, março 31, 2006

 

Formar para implementar


Ávidos de conhecimento, os súbditos alistaram-se em massa para receber formação no âmbito da TLEBS.
A oferta do Ministério da Educação era gratuita e, por isso, depressa se esgotou.
Ora nós, os Tlebsmaníacos, não quisemos perder essa oportunidade.
Com alguma euforia, ligámos 213934573 (MEDGIDC).
Dissemos ao que íamos. Um voz doce e quente reduziu-nos rapidamente à nossa insignificância. Afinal, a dita formação era só para docentes! E mais: só para docentes em exercício!!
Os docentes (os em exercício) têm ainda, em Setembro, uma segunda oportunidade!
Não percam, portanto, a próxima série!

clique aqui para abrir Oficinas de Formação - locais e calendário.pdf


clique aqui para abrir Ficha de Inscrição.doc

Os Tlebsmaníacos

 

A subida ao trono

A 24 de Dezembro do ano de 2004, as cortes (Portaria nº 1488/2004) deliberaram, sem que o povo fosse consultado, que seria destituída do trono a monarca NGP (1967). Subiu então ao trono, a título de experiência pedagógica, Sua Majestade, a TLEBS, por um período de três anos a contar do presente ano lectivo.
No ano lectivo de 2006/2007, Sua Majestade reinará em todas as escolas do Ensino Básico e Secundário (Portaria nº 1147/2005 de 8 de Novembro). Aos servos que forem submetidos à Prova de Exame Nacional do 9ºano de Língua Portuguesa é concedido o privilégio real de obedecerem quer à rainha cessante, quer à actual monarca.

clique aqui para abrir Portaria nº1488/04.pdf

clique aqui para abrir Portaria nº1447/05_TLEBS.pdf

Os Tlebsmaníacos

 

Rei Morto, Rei Posto

No reino da educação imperava a Nomenclatura Gramatical Portuguesa (NGP - 1967), cheia de pompa e circunstância e muito senhora do seu nariz. Com tamanha sabedoria, educou várias gerações, dando-lhes acesso à escada do conhecimento linguístico.
Mas, sendo o reino da educação um reino de eternas e imperativas mudanças, subir a escada do conhecimento linguístico tornou-se condição 'sine qua non' para descobrir as cinco sentidos da Gramática Portuguesa.
Desta feita, surgiu uma nova candidata ao trono do reino da educação: a Nova Terminologia Linguística para os Ensinos Básicos e Secundário (TLEBS). Como é da praxe, geraram-se logo amizades e inimizades, pois a mudança tem sempre destas coisas: desperta uns e adormece outros!
Como súbditos deste reino, interiorizar a mudança é colocar os cinco sentidos nas mãos do "Rei Posto", pois a única forma de continuar a subir os degraus do conhecimento linguístico é gritar: "Rei Morto, Rei Posto"!

Catarina Raimundo

This page is powered by Blogger. Isn't yours?